Priscila Goldenberg
Instagram Facebook Youtube Linkedin
Instagram Facebook Youtube Linkedin

Na mídia

Consultora de enxoval de bebês há uma década, a economista Priscila Goldenberg

13 de julho de 2018

Matéria publicada na revista Veja São Paulo em 13/jul/2018

“Os Estados Unidos são destino certo para muitos brasileiros em busca de artigos para bebês e crianças a preços mais camaradas. Mesmo com o dólar nas alturas, as compras costumam valer a pena: o enxoval chega a custar um terço do valor no exterior…””

Veja SP Enxoval Orlando Macrobaby

“Inaugurada há onze anos, na Avenida Florida Mall, a MacroBaby recebe em média 1 000 clientes por dia (10% deles paulistanos). Ela representa 45% dos negócios da Marco Corporation, holding com dezesseis empresas — entre elas, um negócio de suplementos e outro de entregas —, com estimativa de faturamento de 220 milhões de reais em 2018.” Apesar das cifras, o comércio, que também lucra on-line, ainda é um “bebê” no mercado americano. Enquanto a marca tem apenas uma unidade, a Buy Buy Baby, a principal do setor por lá, por exemplo, possui mais de 100 pontos espalhados pela terra do Tio Sam.

Consultora de enxoval de bebês há uma década, a economista Priscila Goldenberg analisa o sucesso da empresa entre os brasileiros. “As vendedoras falam português, o ambiente parece o de uma Alô Bebê gigante e, além disso, dá para parcelar a conta, um hábito tipicamente nacional”, afirma. São 2 500 metros quadrados de área, tamanho similar ao de algumas lojas de construção daqui, como a C&C. Encontram-se no endereço etiquetas conhecidas como Fisher Price e Kipling e também uma marca própria.

Por estratégia de marketing, volta e meia celebridades e influenciadores digitais postam fotos com sacolas cheias de produtos do local (confira ao longo da matéria). Alguns ganham desconto na nota ou cachês que atingem os 15 000 reais. Para os clientes remotos, é possível agendar um “robô” para fazer suas compras. Uma consultora conecta o consumidor via Skype a um tablet com câmera acoplado a um mastro de 1 metro de altura com rodinhas. De casa, o freguês consegue ver as gôndolas e comandar a direção da máquina. Depois, recebe os itens em sua residência.”

Por Ana Carolina Soares